Ociosidade nas redes de esgoto - EOS Consultores
  • +55 (67) 3321-2898
  •   Agendar demonstração
  •   Solicitar orçamento

Postado em: 03/06/2019

Última modificação: 12/06/2019

Tempo de leitura: 6 minutos

Hoje vamos falar sobre como a ociosidade nas redes de esgoto tem afetado o serviço de esgotamento sanitário no Brasil. Fato que custa caro para a nossa qualidade de vida e a saúde pública.

Vamos falar sobre:

  • O que são redes de esgoto
  • Ociosidade das redes de esgoto
    • O prejuízo ambiental causado
  • Soluções para as redes de esgoto no Brasil

O esgotamento sanitário é um dos quatro serviços do saneamento básico. Figura ainda como parte da infraestrutura do país e demanda um intenso planejamento.

Em sua operação, deve-se considerar as viabilidades estruturais, financeiras e ambientais, visto que o processo é extenso e costuma ter valores elevados.

A saúde pública também está em jogo. Muitas doenças são praticamente erradicadas por meio de um tratamento de esgoto feito da maneira correta, o que também preserva o meio ambiente.

Mas, de que modo esses procedimentos ocorrem de fato? É o que veremos a seguir!

O que são redes de esgoto?

As redes de esgoto dizem respeito às estruturas que levam o esgoto de uma parte a outra. De forma simples, é conjunto de tubulações propriamente dita.

Local sem coleta de esgoto

Caso estejam disponíveis, os consumidores podem informar a companhia de saneamento que desejam conectar sua residência à rede de esgoto. A companhia deve disponibilizar a ligação e efetuar a cobrança pela coleta de esgoto.

Evidentemente, nem tudo pode ir pelos encanamentos! Entre os itens não permitidos estão a água da chuva e da piscina, fraldas, papéis, sacos plásticos e restos de comida. Itens como esses causam entupimentos e, consequentemente, transbordamentos e transtornos para toda a população.

O esgoto coletado é levado para uma estação de tratamento, passando por vários procedimentos, deixando-o livre da carga poluente. Após o tratamento ele retorna aos corpos hídricos, como rios e mares.

Os padrões do setor exigem que o esgoto esteja livre da maioria dos poluentes para ser dispensado no meio ambiente, processo que é vital para não gerar degradação.

O grande problema no Brasil é que esse serviço de tratamento e coleta não está disponível para mais de 100 milhões de pessoas .

Em parte, essa situação é causada pela falta de infraestrutura dos municípios. Entretanto, nota-se que não se implantam as redes de esgoto mesmo em lugares com uma boa infraestrutura. Nesse caso impera a falta de vontade política ou o entendimento que a prestação do serviço é cara demais.

Ociosidade das redes de esgoto

O termo ociosidade nas redes de esgoto retrata duas situações: quando não existe a rede de esgoto e quando a rede existe, mas os consumidores não se conectam.

Ociosidade nas redes de esgoto

A evolução das redes de esgoto no Brasil são lentas e não acompanham o serviço de distribuição de água, por exemplo. Enquanto temos água potável, no padrão estabelecido pela ONU, para 83,5% dos brasileiros, apenas 52,36% têm acesso à coleta de esgoto.

Vale dizer que a coleta não abrange o tratamento em todos os casos. No Brasil, apenas 45,1% do esgoto coletado passa por algum tipo de tratamento.

Isso representa um volume enorme de esgoto in natura sendo jogado nos rios e mares: 5,2 bilhões de metros cúbicos por ano ou quase 6 mil piscinas olímpicas de esgoto por dia.

Estudos mostram que nem as 100 maiores cidades do Brasil conseguem tratar seu esgoto. Nelas, o tratamento ocorre em 54% do esgoto coletado, diferença que não tem avanços significativos perante cidades com falta de infraestrutura.

As disparidades no serviço também são vistas de uma região para outra. No Norte e Nordeste são coletados de 10 a 26% do esgoto gerado. Já no Centro-oeste e Sudeste, de 43 a 53%, e no Sul, 78%.

Essa diferença engloba fatores de evolução das próprias cidades. Por exemplo, na expansão urbana deveriam ser planejadas com uma infraestrutura que contemple os serviços de saneamento básico, o que não acontece.

Outro ponto é o custo de ligação à rede de esgoto. Muitos domicílios deixam de ligar seu esgoto à rede devido ao custo do serviço, que pode dobrar a conta de água. Nessa situação, já somam 3,5 milhões de brasileiros.

O prejuízo ambiental causado pela ociosidade nas redes de esgoto

Muita poluição é causada por esgoto sem tratamento despejados diretamente em cursos dos rios. A prática é considerada crime ambiental e gera um sério desequilíbrio no ecossistema aquático.

O esgoto doméstico, por exemplo, utiliza o oxigênio disponível na água para sua decomposição, matando peixes e outros animais que precisam da água para respirar.

Os efluentes industriais também contribuem para essa mortalidade, ou ainda, contaminam a carne dos peixes por meio da descarga de materiais pesados e tóxicos. Por sua vez, eles podem chegar às nossas mesas por meio de alimento ou no consumo de água.

Essa realidade ocorre por todo o país e atinge inúmeros corpos de água, sejam superficiais ou subterrâneos.

A ONG SOS Mata Atlântica divulgou uma pesquisa, mostrando que apenas 6,5% dos rios brasileiros estão em boas condições. O que revela um alto índice de rios poluídos ou contaminados de alguma forma.

Os pesquisadores alertaram que em caso de uma seca, por exemplo, a capacidade de absorção dos rios em relação aos nutrientes dispersados pode diminuir, colocando-os em posição ruim ou péssima na classificação realizada.

Soluções para as redes de esgoto do Brasil

As soluções tradicionais para o esgotamento sanitário no Brasil demandam alto custo e tempo para implantação. Além disso, o saneamento básico como um todo tem sido colocado de escanteio pelos governantes, o que é provado pelo baixo investimento ao longo do anos.

Essas situações no esgotamento sanitário poderiam ser amenizadas por meio de projetos inteligentes que tornam o custo de instalação e operação mais viáveis.

Tratamento de esgoto

No Paraná, por exemplo, está sendo implantada a geração de energia elétrica a partir do esgoto e do lixo. O Instituto Ambiental do Paraná cedeu à CS Bioenergia uma licença de operação da usina que vai gerar 2,8 megawatts ao dia. O suficiente para abastecer duas mil residências na região.

Além do tratamento do esgoto e geração de energia por meio do biogás, a usina também produzirá biofertilizante e desviará 300 toneladas de lixo dos aterros diariamente.

O saneamento precisa ser visto não apenas como um negócio ambiental e social, mas como uma engrenagem fundamental para o desenvolvimento das comunidades e municípios.

É necessário que o poder público imponha sanções aqueles que não se conectam às redes existentes. E por outro lado, apoie as prestadoras na construção de novas redes de esgoto.

E na sua cidade, os governantes têm usado bons modelos de gestão para lidar contra a ociosidade nas redes de esgoto? Existem projetos inteligentes em andamento? Conte pra gente!

Se precisar de ajuda, você já sabe! Fale com nossos consultores. Nós temos a solução perfeita para você.

Dúvidas? Fale com um Especialista!

Temos um time de especialistas pronto para tirar suas dúvidas e
encontrar a solução ideal para a sua empresa.

Fale com um especialista
Grátis e sem compromisso